Pular para o conteúdo principal

Grupos de teatro de todo Brasil no Encena na Rua


TEATRO DE RUA

Porto Velho receberá 17 grupos de todo o Brasil, totalizando 23 espetáculos e performances

O grupo de teatro O Imaginário dirigido pelo ator Chicão Santos, promove entre os dias 19 a 25, deste mês em Porto Velho , a 3ª edição do Festival de Teatro de Rua “Amazônia Encena na Rua”. O evento vai oferecer à população uma programação variada e gratuita de espetáculos, performances e oficinas de capacitação artística. Porto Velho receberá 17 grupos de todo o Brasil, totalizando 23 espetáculos e performances, que acontecerão na Praça das Caixas D’água.

As Oficinas de Teatro oferecidas gratuitamente durante o Festival acontecerão nos dias 21 a 24 de julho, no período das 9h00 às 12h00, na Casa da Cultura Ivan Marrocos. São cinco opções: “Produção cultural”, ministrada por Leo Carnevale (RJ); “Pedagogia do ator”, ministrada por Ana Carneiro (MG); “Performances urbanas”, com Mara Leal (MG); “Desenvolvimento do teatro cubano”, com Victor Pietro (Cuba) e “Viewpoints e espaço urbano”, com o Coletivo Teatro da Margem (MG). Para se inscrever basta enviar um e-mail para oimaginarioro@yahoo.com.brcom os dados (nome, telefone e oficina escolhida).

O Festival Amazônia Encena na Rua é patrocinado pela CAIXA e tem o apoio da FUNARTE, da Prefeitura de Porto Velho/Fundação Iaripuna, SESC-RO e SECEL/Casa da Cultura Ivan Marrocos.

Além do Festival Amazônia Encena na Rua, O Imaginário apresenta também, nos dias 16, 17 e 18 de julho, o Seminário Amazônico de Teatro de Rua, que vai discutir a relação do teatro, do público e da cidade, políticas públicas, o ensino e a estética do teatro de rua; e o Festival de Dança, que reunirá 20 grupos e companhias de dança de Rondônia, Acre e Amazonas, com os espetáculos acontecendo na Praça Aluízio Ferreira, de 21 a 25 de julho. Também serão oferecidas Oficinas de Dança gratuitas: “Corpo sem limite”, com Regina Cláudia (AC) e “Dança Vertical”, com Diego Batista (AM).

O Seminário Amazônico de Teatro de Rua foi selecionado pelo Prêmio Funarte Myrian Muniz de Fomento ao Teatro e o Festival de Dança foi selecionado pelo Prêmio Funarte Klauss Vianna de Fomento à Dança de 2009.

PROGRAMAÇÃO

DIA 19

18 horas – Apresentação de Performance e Cortejo de abertura do Festival



Encontro de Mestres com a participação especial de Amir Haddad, do Grupo Tá Na Rua (RJ).

19 horas – “Desafio de Fião e Fiota”

Cia Theresa João – Cuiabá (MT)

A narrativa traz, por meio de versos, as desventuras de um casal caricato, Fião e Fiota, mesclando poesia, música e drama, trazendo para a cena intrigas de amor e aventura.

20 horas – “O Dilema do Paciente”

Grupo manjericão – Porto Alegre (RS)

Uma trupe de artistas de circo que vem exibir seus números circenses na praça. Quando chega o número dos palhaços acrobatas descobre-se que um deles está cheio de manchas azuis pelo corpo. Precisando de ajuda, o paciente vai se consultar com uma doutora que não consegue dar o diagnóstico. Diante de tanta desconfiança, trapaça e falcatrua, o palhaço perde a paciência e retorna para o circo em um desfecho tragicômico.

21 horas – “FABULÁRIO BRASIL – CANTO, PROSA E TAMBOR”

Os Tawera – Palmas – (To)

É inspirado na tradição dos rituais da aldeia em que se contam causos e histórias ligadas ai universo de encanto e magia. Descortina pequenas canções ao som do ritmo capoeboicongo e dramatizações de poesias. Histórias e causos compondo um tabuleiro da cultura popular brasileira.

DIA 20

15 horas – Demonstração de trabalho do Grupo Tá Na Rua (RJ), com Amir Haddad.

Local: Teatro Um do SESC Esplanada.

18 horas – “Colombina”

Cia Será o Benitido?!- Rio de Janeiro (RJ)

Em uma caixa com várias poesias para o público ler, há uma breve indicação: “Leia uma poesia para Colombina”. Assim tem início uma linda performance circense e poética de rua.

19 horas – “Pulitrica”

Leo Carnevale – Rio de Janeiro (RJ)

Afonso Xodó é um falastrão e conhecedor de ciências ocultas. Tenta mostrar uma elevada capacidade em números, que criam efeitos e fenômenos extraordinários, contrários ás leis da natureza. Utilizando-se do humor, a brincadeira toma conta da cena enquanto ele tenta iludir os espectadores, que acabam acreditando mais nos efeitos do riso do que nos efeitos da magia.

20 horas – “Coração de Menino”

Os Tawera – Palmas (TO)

Tudo acontece no quarto de Vô Mundico, um ex-palhaço de circo que vive com suas lembranças na casa de sua filha. Ao ver seu netinho chorando por não ganhar um navio de controle remoto, o velho Mundico começa a contar sua história e a de tantos outros palhaços de circo do Brasil para seu neto Tebas Grego.

21 horas – “Hoje Sou Um, Amanhã Serei Outro”

Cia Vitória Régia – Manaus (AM)

Em alguma época, numa certa corte, um casal de Reis luta contra inimigos invasores, que tentam se apropriar do reino. Um jogo de interesse que envolve pessoas que mostram caráter dúbio. Com esse texto, Qorpo Santo demonstra a dualidade humana.

DIA 21

19 horas – “Limpador de Placas”

O Imaginário – Porto Velho (RO)

Conta a história de um homem simples que todos os dias, com seu uniforme azul, sai em sua bicicleta azul e carrega seu balde, escova e flanela, também azuis. Ele é um homem feliz e o que mais gosta de fazer é limpar placas de rua. Tudo teria continuado assim se o inesperado não viesse transformar sua vida.

20 horas – “Locomotiva de Histórias”

Cia Theresa João – Cuiabá (MT)

Vários personagens surgidos dos contos de Millôr Fernandes, Ruth Rocha e Ricardo Azevedo. É utilizada a contação de histórias como instrumento gerador e potencializador de um jogo cênico vibrante. Vozes fantásticas, canções e brincadeiras são usadas para que o espectador possa vislumbrar a situação, dar brasa à imaginação e começar a viagem.

21 horas – “Fio de Pão, a Lenda da Cobra Norato”

In Bust Teatro de Bonecos – Belém (PA)

Resgata do imaginário popular a história de uma cabocla que, atraída um cobrão embruxado, dá à luz duas cobras: Norato e Caninana. Os irmãos têm sinas diferentes: Caninana de ser má, enquanto Norato de ter que encontrar alguém que possa desencantá-lo para virar gente.

DIA 22

19 horas – “O cavaleiro Perfumado”

Grupo Locombia – Boa Vista (RR)

É a história de um cavaleiro enamorado que viaja errante, atravessando o sertão rumo ao norte do país em busca de fortuna e amor. Ao longo de muitas peripécias à procura do ouro, seu coração enamorado é resgatado por Rosinha; depois de muito esforço, consegue levá-lo ao altar. Dessa união nasce seu primeiro filho, começando assim a saga de uma geração que cria raízes e coloniza as terras amazônicas.

20 horas – “Ao Divagar Se Vai ao Longe e de Bicicleta Mais Ainda...”

Cia UmPédeDois – Porto Alegre (RS)

Tudo começa quando os dois palhaços e grandes amigos Camomila e Quindim resolvem que juntos e com uma incrível bicicleta podem desvendar todos os seus sonhos e através deles chegarem a qualquer que imaginam. Então partem! E perambulam bastante. Até que entre uma pedalada e outra passam a sentir uma necessidade inexplicável de já expressarem todas as suas grandes conquistas.

21 horas – “A Chegada de Marcolino no Purgatório”

Ói Nóiz Aqui Traveiz – Macapá (AP)

Baseado nos folguedos da tradição popular nordestina, conta a história de Marcolino Pedreira, um cara humilde, simples, humilde e namorador que por desconhecer os perigos da vida libertina acaba sendo vítima de uma doença incurável.

DIA 23

19 horas – “O Homem Banda”

Cia UmPédeDois – Porto Alegre (RS)

Quando ao longe se escuta um harmonioso acordeon acompanhado de chocalhos, pratos, bumbos e apitos... Imagina-se que aí vem a banda! E vem mesmo, mas não uma banda comum e sim uma banda inteira orquestrada por um homem só! É ele, Maurolauropaulo quem chega...

20 horas – “Se Ao Menos Eu Pudesse Ver o Sol”

Grupo Sentidos – Porto Velho (RO)

Uma mulher perdida entre seus devaneios e conflitos existenciais em busca da comunhão com Deus, apesar de suas dúvidas.

21 horas – “A Menina e o Palhaço”

Grupo do Palhaço Tenorino – Rio Branco (AC)

Tem alguma coisa errada pairando no fundo do quintal! A menina chora sentindo falta da melhor amiga que se foi deixando saudades e tristezas. Agora só resta brincar sozinha, com suas bonecas de pano, panelas de lata, bonecos de caixa de papelão e garrafas. No meio de tanta solidão surge o Palhaço Tenorino. Um encontro emocionante e divertido que vai mexer com seu coração.

DIA 24

18 horas – “Compasso em Silêncio”

Grupo Locombia – Boa Vista (RR)

Inspirada nos encontros e desencontros da vida cotidiana, os quais enfrentamos de uma maneira poética, trágica e cômica, através da mímica, desenvolvendo um teatro sem palavras com música ao vivo. De uma forma lírica e com técnicas de mímica, acrobacia, clown e interação com o público.

19 horas – “Dados Variáveis”

Cia Será o Benitido?!- Rio de Janeiro (RJ)

É um espetáculo com 18 cenas diversas e 6 cenas por dia, sendo que uma por uma serão sorteadas pelo público. Assim que a platéia jogar o dado, terá início o espetáculo e na ordem do sorteio serão encenadas. Utilizando a comicidade, improviso e a dinâmica de rua, o roteiro das cenas é baseado na cameloturgia.

20 horas – “Quem É o Rei?”

Grupo do Palhaço Tenorino – Rio Branco (AC)

Inspirado em um conto popular oriental, “Quem é o rei?” resultou numa obra dramatúrgica metateatral que questiona as relações de poder existentes na sociedade onde ora mandamos, ora somos mandados. Conta a história de um rei extravagante possuído por uma ideia maravilhosa: construir uma grande obra.

21 horas – “A Megera – Domada?”

Grupo Autônomos de Teatro (alunos do 8º período de Teatro/UFU) – Uberlândia (MG)

Texto baseado em Shakespeare, Alejandro Casona e contos populares, onde contamos a história do mancebo que casou com uma mulher brava e conseguiu amansá-la. Ou será a história da moça esperta que descobriu como viver em paz com seu marido? Ou a história da moça que queria casar e conseguiu um marido para sua irmã?

DIA 25

18 horas – Performances: “Das Cadeiras” e “Corpos que Ficam”

Coletivo Teatro da Margem – Uberlândia (MG)

20 horas – “Tira a Canga do Boi”

Grupo Raízes do Porto – Porto Velho (RO)

Numa cidade do interior, em plena festa do Bumba-meu-boi, o Capitão, contando com o apoio de Mateus e Bastião, tenta comprar o voto do povo para eleger o candidato indicado por ele no dia da eleição. Bastião, percebendo a sacanagem do Capitão, juntamente com Catirina e D. Joana, alerta o povo para o crime que está sendo cometido e resolvem se vingar do Capitão, afinal de contas, o voto não é cabresto.

21 horas – “A Carroça É Nossa”

Grupo Xama – São Luís (MA)

Espetáculo de rua baseado na cultura nordestina-maranhense. Suas personagens, pregoeiros da alegria, brincam com cantigas, adivinhas, trava-línguas e contam lendas: Catirina e Pai Francisco, Ana Jansen, Serpente Encantada e Lenda do Boi.

Mais informações através dos telefones 3043-1419 e 9979-0048.

Fonte: assessoria/O Imaginário.

Acesse o site www.oimaginarioro.com.br



Acesse o site www.oimaginarioro.com.br
Informações: 69 9979 0048
Programação do Amazônia Encena na Rua

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A LENDA DO BOI DE SÃO JOÃO

No mês de junho, o Estado do Maranhão se transforma num imenso arraial, são incontáveis os grupos de bumba-meu-boi que saem pra brincar. No som dos instrumentos e na face da cada brincante, podemos perceber o sangue do negro, do índio e do branco, correndo junto e feliz.
E é nesse clima de festa e alegria que a Carroça chega aos arraiais para encantar crianças e adultos, com canções de hoje e de outrora.
O espetáculo-animação “ A Carroça é Nossa” estreou, com a produção e realização da Tapete, Criações Cênicas em junho de 2005, no Tríduo Joanesco da Superintendência de Cultura Popular, realizando no mesmo ano diversas apresentações nos arraiais de São Luís, tendo participando também em Festivais de Teatro no Maranhão e no Ceará.
Em junho de 2009 “A Carroça é Nossa” retorna aos arraiais do nosso Estado com a produção e realização do Grupo Xama Teatro.
E especialmente para vocês recontamos aqui no blog a LENDA DO BOI DE SÃO JOÃO, uma lenda maranhense, recontada por Gisele Vasconcelos no esp…

As Três Fiandeiras: comentários de quem viu!!!

Pra quem ainda não viu ,Vale a Pena ver! Assisti emocionado este espetáculo feito por 3 atrizes maduras e muito bem preparadas. A história é dramática, mas sem ser pessimista ou dolorosa. Um trabalho feito com a leveza e sensibilidade das atrizes e do diretor. o Espetáculo intimista, vem nos arrastando pra dentro da história , fluindo através do olhar ,do corpo e da voz da três mulheres(Renata Figueiredo,Rosa Ewerton e Gisele Vasconcelos) que como as Parcas seguem tecendo ,medindo e cortando o fio da existência. Parabéns , Xama Teatro, pela tessitura da arte! Isto se Chama TEATRO! (Urias de Oliveira, 22/04/2015)



As três fiandeiras! Num espaço rio enredamos as histórias do percurso do mar! Arquétipos da vida que nos leva, entre o fim e um novo início, a nos desafiar, a nos encantar, a nos redescobrir, a nos transformar e então enxergar o povir! Lembrei "O Cavaleiro do Destino". Ainda fica na memória a nau que eu construí: furta-cor com escamas de sereias e velas tecidas com s…

PASSEIOS PELA HISTÓRIA E CULTURA DO MARANHÃO

A partir de março, o Grupo Xama Teatro terá a honra de participar do projeto Passeios pela história e cultura do Maranhão, do escritor Wilson Marques.
Para quem já conhece, trata-se do velho e camarada Touchê, persoangem criado pelo escritor Wilson Marques, agora em grande estilo. Ele chega dentro de uma caixa cheia de suas aventuras, todas voltadas para a história e as tradições culturais maranhenses. Os livros foram todos ilustrados por Kirlley Velôso.
A caixa integra o projeto Passeios pela História e Cultura do Maranhãoque reúne seis livros do autor, e será lançado dia 12 de março (quinta-feira), no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, na Praia Grande. O evento contará com apresentação do grupo Xama Teatro, inspirada no trabalho do escritor.
Foram produzidas 5 mil caixas personalizadas que serão doadas para os Faróis da Educação e escolas comunitárias de São Luís. O objetivo é enriquecer o acervo dessas instituições, promover o incentivo à leitura entre crianças e adolescente…