Pular para o conteúdo principal

Um encontro rapsódico, nosso texto tecido a três vozes. Por Gisele Vasconcelos.


O cantante da Colômbia, a brincante do Maranhão, o violeiro caipira se encontram para constante mutação nas vozes dos atores-rapsodos: Jhonny Alexander, Gisele Vasconcelos e Luiz Laranjeiras.
 Um encontro apaixonado, cuja costura de vozes e cânticos foi tecida pelo fio da memória da tradição de cada chão. A rapsódia levou ao pé da letra a epistemologia da palavra rapsodo, no sentido de “costurar” ou de “ajustar cânticos”.
No encontro rapsódico os atores brincantes costuraram sua fala alinhavando o épico e o lírico com seus cantos e narrações trazendo para a movência um poema de Llanero, uma moda de viola, ladainha e versos de cantigas, numa junção de procedimentos da escrita, utilizando da montagem e colagem para compor o mosaico de sonoridades.
A respeito desse encontro, vimos um ressoar, em vozes, de um conjunto harmônico, às vezes embalado por uma narrativa, às vezes desprovido dela, embalado tão somente pela troca de palavras, risadas, versos, toques, que se entrecruzaram assim como entrecruzam seus atores, vindos de territórios que ultrapassam os limites de uma só localidade, para o encontro movido pela multiculturalidade.
Em montagem dinâmica, investimos nas vozes intercaladas, sobrepostas e também num jogo de pergunta e resposta, acompanhadas ao som do pandeiro, viola caipira e zampoña, numa rapsódia polifônica propensa à mistura, à pluralidade, à heterogeneidade.
Em alguns momentos, compõe a rapsódia fragmentos da narração em terceira pessoa, de episódio do coplero Florentino e seu desafio com o Diabo, num misto de fala e canto ou a moda de namoração da voz do violeiro, em primeira pessoa: “Eu já tive um sentimento / Que nem pude suportá / De uma morena bonita / Que cumigo quis casá.”
Essas lembranças da tradição popular são transformadas e ajustadas para a recriação da rapsódia colombiana-maranhense-caipiracicaba numa intevocalidade bilíngue, jogo vocal de sotaques, mobilizável em novo discurso.
“O poeta joga, como registros de um instrumento, com o material tradicional, bem demarcado – lugares-comuns retóricos, motivos imaginários, tendências lexicais – segundo os níveis de estilo, os gêneros ou a finalidade proposta ao discurso” (ZUMTHOR, 1993, p.148)
Discurso dividido em momentos líricos: “Quando pego na viola/“Inté” a lua chora/ E apaga toda a cidade/ Com meu canto de “sodade”.” Ou em momentos narrativos: “ El coplero Florentino/ por el ancho terraplén/caminos del Desamparo/ desanda a golpe de seis.” Dessa costura de texto –tecido, uma consideração para esse encontro de paixão: “Se eu soubesse que vocês vinham/ aqui eu já tinha vindo/ não tinha ficado em casa/ na minha rede dormindo.”
ver vídeo em http://www.youtube.com/watch?v=mRh13gIv1i8&feature=share

Referências Bibliográficas:
SARRAZAC, Jean-Pierre. Léxico do Drama Moderno e Contemporâneo. São Paulo. Cosac Naify, 2012.
ZUMTHOR, Paul. A Letra e a Voz: a literatura medieval. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A LENDA DO BOI DE SÃO JOÃO

No mês de junho, o Estado do Maranhão se transforma num imenso arraial, são incontáveis os grupos de bumba-meu-boi que saem pra brincar. No som dos instrumentos e na face da cada brincante, podemos perceber o sangue do negro, do índio e do branco, correndo junto e feliz.
E é nesse clima de festa e alegria que a Carroça chega aos arraiais para encantar crianças e adultos, com canções de hoje e de outrora.
O espetáculo-animação “ A Carroça é Nossa” estreou, com a produção e realização da Tapete, Criações Cênicas em junho de 2005, no Tríduo Joanesco da Superintendência de Cultura Popular, realizando no mesmo ano diversas apresentações nos arraiais de São Luís, tendo participando também em Festivais de Teatro no Maranhão e no Ceará.
Em junho de 2009 “A Carroça é Nossa” retorna aos arraiais do nosso Estado com a produção e realização do Grupo Xama Teatro.
E especialmente para vocês recontamos aqui no blog a LENDA DO BOI DE SÃO JOÃO, uma lenda maranhense, recontada por Gisele Vasconcelos no esp…

PASSEIOS PELA HISTÓRIA E CULTURA DO MARANHÃO

A partir de março, o Grupo Xama Teatro terá a honra de participar do projeto Passeios pela história e cultura do Maranhão, do escritor Wilson Marques.
Para quem já conhece, trata-se do velho e camarada Touchê, persoangem criado pelo escritor Wilson Marques, agora em grande estilo. Ele chega dentro de uma caixa cheia de suas aventuras, todas voltadas para a história e as tradições culturais maranhenses. Os livros foram todos ilustrados por Kirlley Velôso.
A caixa integra o projeto Passeios pela História e Cultura do Maranhãoque reúne seis livros do autor, e será lançado dia 12 de março (quinta-feira), no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, na Praia Grande. O evento contará com apresentação do grupo Xama Teatro, inspirada no trabalho do escritor.
Foram produzidas 5 mil caixas personalizadas que serão doadas para os Faróis da Educação e escolas comunitárias de São Luís. O objetivo é enriquecer o acervo dessas instituições, promover o incentivo à leitura entre crianças e adolescente…

As Três Fiandeiras: comentários de quem viu!!!

Pra quem ainda não viu ,Vale a Pena ver! Assisti emocionado este espetáculo feito por 3 atrizes maduras e muito bem preparadas. A história é dramática, mas sem ser pessimista ou dolorosa. Um trabalho feito com a leveza e sensibilidade das atrizes e do diretor. o Espetáculo intimista, vem nos arrastando pra dentro da história , fluindo através do olhar ,do corpo e da voz da três mulheres(Renata Figueiredo,Rosa Ewerton e Gisele Vasconcelos) que como as Parcas seguem tecendo ,medindo e cortando o fio da existência. Parabéns , Xama Teatro, pela tessitura da arte! Isto se Chama TEATRO! (Urias de Oliveira, 22/04/2015)



As três fiandeiras! Num espaço rio enredamos as histórias do percurso do mar! Arquétipos da vida que nos leva, entre o fim e um novo início, a nos desafiar, a nos encantar, a nos redescobrir, a nos transformar e então enxergar o povir! Lembrei "O Cavaleiro do Destino". Ainda fica na memória a nau que eu construí: furta-cor com escamas de sereias e velas tecidas com s…